Logística: 5 erros na gestão da cadeia de suprimentos para não cometer Logística: 5 erros na gestão da cadeia de suprimentos para não cometer

Logística: 5 erros na gestão da cadeia de suprimentos para não cometer

5 minutos para ler

A execução dos processos logísticos reflete no nível de organização e no potencial competitivo de uma empresa. Quanto mais deslizes na gestão da cadeia de suprimentos, maior será a possibilidade de que a empresa perca mercado e tenha problemas financeiros no futuro.

Erros na cadeia de suprimentos podem ter consequências graves para qualquer organização, como o aumento dos custos, a perda de clientes e a morosidade nos seus fluxos operacionais e de controle.

Sendo assim, veja a seguir ao menos 5 erros de logística que você deve evitar e proteja sua organização de possíveis problemas!

1. Não considerar a cadeia de suprimentos uma estrutura dinâmica

Os processos logísticos não são fixos e imutáveis, nem apresentam uma estrutura linear. Assim, eventos ocorridos em determinada etapa podem interferir em etapas subsequentes.

Existe a contínua possibilidade de mudanças conforme a demanda do consumidor, que pode, por exemplo, interferir no gerenciamento de compra de materiais.

A logística reversa é outra possibilidade que vai impactar os processos logísticos. Outro ponto a considerar é a ocorrência de imprevistos na rota de entrega do produto ao cliente, exigindo a busca por soluções alternativas.

O dinamismo da cadeia de suprimentos implica na necessidade de uma gestão que também seja dinâmica e criativa.

2. Não sincronizar as demandas

Sem demanda, não existem processos logísticos. Por essa razão, torna-se fundamental que a gestão sincronize a cadeia de suprimentos e a demanda existente. Pode-se, por exemplo, efetuar um controle mais rigoroso dos inventários nos pontos de distribuição, gerando ordens e pedidos dentro do sistema.

Esse sistema, por sua vez, precisa funcionar de forma unificada, baseado em um conjunto de informações, visando reduzir ao máximo as chances de desequilíbrio entre a demanda e a oferta.

É importante identificar e separar os produtos de mais giro daqueles que têm menos saída. Essa ação vai permitir aumentar ou diminuir sua quantidade em estoque. Talvez seja preciso até suspender a compra de alguns desses produtos menos procurados, pelo menos temporariamente.

Caso haja uma demanda específica para determinada localidade ou região, é necessário adequar os processos logísticos para atender essa demanda de forma especial.

3. Desconsiderar as soluções tecnológicas

Não adianta fechar os olhos para a realidade, pois essa atitude poderá custar caro ao empreendedor — a tecnologia, atualmente, precisa ser inserida no contexto das soluções empresariais.

Existem diversos softwares de gestão, alguns com funcionalidades exclusivas para a cadeia de suprimentos. Há o ERP (Enterprise Resource Planning ou Sistema Integrado de Gestão Empresarial), o VMI (Estoques Gerenciados pelo Fornecedor), o SCM (Supply Chain Management, ou Gestão da Cadeia de Suprimentos), o WMS (Sistema de Gerenciamento de Armazém).

Apesar da variedade, grande parte das empresas ainda não se sente suficientemente segura para investir nessas soluções. A verdade é que os gestores ainda desconhecem a existência de muitas dessas inovações.

4. Ser negligente ao calcular os custos corretamente

A aquisição de materiais de forma indiscriminada só vai gerar perdas e prejuízos. É necessário estruturar o processo de compras, identificando os custos de cada componente e ficando ciente de que eles se acumularão sobre o produto.

No final, somados à margem de lucro, esses custos podem resultar em um preço muito elevado, que prejudica sua venda.

O ideal é analisar a cadeia de suprimentos detalhadamente, discriminado categorias, contratos, gastos e tudo que for necessário para um controle mais confiável.

5. Deixar de manter uma boa relação com os fornecedores

O gestor precisa conhecer a fundo seus fornecedores e manter um bom relacionamento com todos eles. Qualquer problema pode influenciar o nível de credibilidade da empresa e o relacionamento dela com o público consumidor.

Recomenda-se conhecer preços, potencial e riscos que cada fornecedor oferece e cadastrar todos os que conseguem manter uma relação salutar com a empresa. Dessa forma, será possível desenvolver negociações mais vantajosas e melhorar o setor de compras.

Conhecendo os principais erros na gestão da cadeia de suprimentos, fica mais fácil evitar armadilhas e garantir a prosperidade do seu negócio.

E você, comete alguns desses erros? Que outro deslize acha relevante citar? Deixe seu comentário e não se esqueça de curtir nossa página no Facebook para ficar sempre por dentro de conteúdos como este!

 

ORBIT Logistics é um dos principais fornecedores mundiais de soluções de gerenciamento de estoque (VMI – Vendor Managed Inventory e SCM – Supply Chain Management) e aquisição de dados em tempo real.

Nossa empresa, fundada em 2003, fornece um sistema modular para gerenciamento e automação da cadeia de suprimentos, atendendo clientes globais a partir de escritórios em Leverkusen (Alemanha), Atlanta (EUA), São Paulo (Brasil) e Shanghai (China). Uma equipe altamente qualificada, composta por mais de 40 engenheiros e técnicos, oferece soluções “turn key” personalizadas para gestão e monitoramento de processos.

Para mais informações:

ORBIT Logistics Brasil
www.orbitlog.com.br
dante@orbitlog.com.br

Tel.: (11) 3796-1755 / 1756
Cel.: (11) 96420-1701

Posts relacionados

Deixe uma resposta